sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Cine-Literatura

Esta semana estrearam nas salas portuguesas dois filmes baseados em livros já editados em Portugal. Ambos exemplos da literatura nórdica mas em géneros muitos diferentes.

O Guardião das Causas Perdidas do Dinamarquês Jussi Adler-Olsen beneficiará do efeito de prolongado sucesso em torno dos policiais chegados daquela zona da Europa.
Numa edição muito recente da Editorial Presença, acho que o filme chamará atenção para o livro e vice-versa.

Já O centenário que fugiu pela janela e desapareceu é uma edição de 2011 da Porto Editora e um livro que faz parte do Plano Nacional de Leitura.
Um livro de humor (negro) do Sueco Jonas Jonasson que não beneficiará muito de uma estreia muito discreta do filme.

Não tendo lido nenhum dos dois, confesso que para já estou mais interessada em ler o livro de Jonas Jonasson e em ver o filme baseado no livro de Jussi Adler-Olsen.
Sobretudo porque o efeito de ver o filme antes estraga um pouco o livro e o de Jonas Jonasson já está na minha lista há algum tempo e o filme volta, em boa hora, a chamar a atenção para ele.
E porque duvido que chegue a ler o policial, género que funciona melhor, para mim, no grande ecrã.






Carl Mørck não é o detetive mais popular da Divisão dos Homicídios de Copenhaga. Por isso, quando é criado o Departamento Q, com a missão de rever casos arquivados, Carl Mørck é designado para o dirigir.
O seu primeiro caso é o de Merete Lynggaard, uma deputada que desaparecera cinco anos antes sem que a polícia conseguisse mais do que conjeturar uma aparente tentativa de suicídio.
Toda a gente acha que ela está morta. Toda a gente diz que investigar o sucedido é uma perda de tempo. Mas, à medida que Carl Mørck começa a seguir as pistas que o seu colega havia descartado aquando da investigação inicial, descobre um caso com contornos inesperados e profundamente sinistros...








No dia em que Allan Karlsson celebra 100 anos, toda a cidade o aguarda para uma grande festa em sua honra. 
Mas Allan tem outros planos… Morrer de velho? Sim, mas não ali!
Munido de um par de chinelos gastos, joelhos empenados e uma ousadia tremenda, Allan lança-se numa extraordinária aventura, arrastado numa torrente de equívocos e golpes de sorte.
E ao mesmo tempo que acompanhamos a sua última viagem (ou será que não?), conhecemos o seu passado, perdido entre guerras, explosões e mulheres fatais – qual delas a mais perigosa!
Uma estreia literária impressionante que conquistou centenas de milhares de fãs.


Sem comentários:

Enviar um comentário