quarta-feira, 31 de agosto de 2011

A Evolução de Calpurnia Tate (Jacqueline Kelly)

O romance histórico contemporâneo e as chamadas maria-rapaz estão um para o outro tal como os cereais estão para o leite. Seria, assim, tentador ver A Evolução de Calpurnia Tate como mais um livro nesta longa linha de mulheres carismáticas, fortes, pouco condicionados aos seus papéis femininos. Tal é verdade, e ao mesmo tempo não o é. Sem dúvida que Calpurnia revolta-se com as restrições do seu tempo, mas esta escritora estreante, Jacqueline Kelly, deu-nos um vislumbre intrigante de uma rapariga que possui aquilo que o seu tempo não lhe parece querer interditar: ambição.
Começamos em 1899 e a jovem de onze anos, Calpurnia Tate é a única filha de uma família de seis irmãos. E é amplamente ignorada até ao dia em que faz uma pergunta ao seu avô: de onde vinham os enormes gafanhotos amarelos que aparecerem naquele Verão invulgarmente quente? O avô, uma figura imponente que as crianças normalmente evitavam, apenas lhe diz que tem a certeza de que ela conseguirá descobrir isso sozinha. Mas só quando realmente começa a fazê-lo ele demonstra particular interesse nela. Pouco depois Calpurnia está a caminho de se tornar numa naturalista. O seu avô ensina-lhe sobre a evolução e o mundo natural, o que é maravilhoso, mas não é propriamente o género de coisas pelas quais uma rapariga da idade dela deveria se interessar ou aprender. Entre as aventuras que envolvem os seus irmãos, amigos, e toda uma nova espécie de plantas, Calpurnia, tem de centrar-se no que ela é e aquilo que o mundo espera que ela seja. Jacqueline Kelly prefacia cada capítulo com uma citação da Origem das Espécies de Darwin.
Ora, a personalidade feminina não surge do nada. O que nos encanta na Calpurnia, ou como é chamada, Callie, é que ela é diferente porque recebeu a atenção e o interesse de um avô que não a trata apenas como uma rapariga com inteligência, mas como uma igual. Muitas vezes isto torna-se em algo cómico, como quando ele lhe oferece a provar uma aguardente, mas na maior parte das vezes é exactamente aquilo que o cérebro de Callie precisa. E este livro torna-se quase num livro de mistério, de detective quando nos vemos Callie a prosseguir questões científicas (como por exemplo qual é aquela criatura flutuante no escritório do avô) e a forma como aborda e soluciona um problema. Com o encorajamento do avô, ela absorve toda a sua atenção e conversas inteligente e, desta forma, vai desabrochando, (até por que ela até nem tem muito jeito para os objectivos femininos normais daquela época). E é aquilo em que ela está a desabrochar que parece perturbar a sua mãe.
Tudo isso Callie terá de ultrapassar, e o final do livro deixa-nos nos lábios o desejo de uma sequela. Em conclusão Jacqueline Tate conjurou uma história original e maravilhosa, em que pega numa rapariga da viragem do século e a transforma em alguém que qualquer um de nós pode admirar. Para ler, encantar e recomendar.




Autor: Jacqueline Kelly


Editora: Contraponto


Páginas: 248


Género: Romance/Aventuras

terça-feira, 30 de agosto de 2011

D. Dinis - A quem chamaram o Lavrador (Cristina Torrão)

Como na sua obra anterior, Cristina Torrão lança um olhar sobre uma personalidade ímpar da História portuguesa. Se na sua primeira obra a autora começou pelo início e pela personagem controversa e em muito misteriosa de D. Afonso Henriques, neste volume a autora aborda D. Dinis de cognome “o Lavrador”.
Seria fácil para a autora cingir-se ao cognome do rei e abordar toda a questão subjacente ao pinhal de Leiria. No entanto, mais do que um vislumbre à obra do monarca (e esta não se resumiu “apenas” ao plantar do pinhal de Leiria) a autora opta por dar ao leitor uma visão do homem.
De facto, é esta a principal característica deste romance histórico: apesar de ser uma versão romanceada da realidade, a autora oferece ao leitor a sua visão do homem D. Dinis e da sua obra ancorada nas suas características humanas.
Ao longo do livro, apercebemos-nos que o cognome de “Lavrador” se adequado, é-o apenas parcialmente pois peca por defeito. A autora revela-nos as diversas facetas do soberano: o homem apaixonado e artístico, o escolástico responsável pela criação da Universidade de Coimbra e também o guerreiro e através delas o leitor apercebe-se progressivamente da dualidade presente ao longo de todo a história: um ser humano, falível, imperfeito e dotado dos mesmos vícios e virtudes que definem o que é ser-se humano, mas cuja obra, visão e legado, resultantes de uma vontade forte e marcada perduram no tempo e na memória.
Ao humanizar a grandeza da obra, não podemos deixar de acreditar que a autora tenta passar uma mensagem de esperança para estes tempos: não só apelando ao orgulho histórico português, como demonstrando que homens comuns, com falhas e de todo longe de um ideal podem deixar uma obra duradoura, um património de o qual todos se podem orgulhar.





Autores: Cristina Torrão


Editora: Ésquilo


Páginas: 416


Género: Romance Histórico

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Wicked Lovely - Frágil Eternidade (Melissa Marr)

Mais uma vez Melissa Mar leva-nos ao Mundo das Fadas para uma terceira aventura. Neste livro, continuamos a acompanhar a história de Aislinn e de Seth após os eventos dos livros anteriores. Após a sua transformação em Rainha do Verão, Aislinn vê-se cada vez mais confrontada com as mudanças de que é vítima e as diferenças para a sua vida antiga dividida entre Seth e Keenan, entre o seu amor e a sua obrigação.
De facto, é neste dilema que situamos este livro e é este mesmo dilema, a escolha entre a obrigação e o dever e o que dita o coração e a luta interna que daí resulta. Podemos quase pensar numa Antígona, contextualizada num mundo de fadas e em que a obrigação é para com um reino com o qual nem sempre Aislinn compreende, concorda e que até há bem pouco tempo era a origem dos seus medos e pesadelos.
Na realidade, é esta complexidade que torna este livro apelativo: seria fácil compará-lo a outros livros com um setting paranormal, no qual um triângulo amoroso entre personagens não é mais do que uma forma de abordar sentimentos conflituosos e presentes nas vivências do dia-a-dia e cuja generalidade tornam fácil a identificação do leitor.
Apesar destes dilemas pueris estarem presentes, este livro vai mais além acrescentando a dimensão do dever, não se esgotando em personagens muitas vezes imaturas. Deste modo, as personagens e o seu mundo assumem uma vida própria, libertas das amarras do banal: quais os limites entre o dever e o desejo podemos ouvir Aislinn a questionar-se? E quais os limites de Seth, em lidar com o sofrimento por oposição ao desejo de se querer estar com a pessoa amada?
É esta complexidade e a (in)congruência interna das personagens que permitem o seu desenvolvimento e que, apesar do cenário de fundo em fantasia, aborda temas bastante reais e humanos. No geral, esta obra é recomendada a todos aqueles que sendo leitores assíduos do género da fantasia paranormal procuram um pouco mais do que aquilo a que temos sido habituados ultimamente.




Autores: Melissa Marr


Editora: Saída de Emergência


Páginas: 336


Género: Fantasia

Pack Poesia - Vencedor do passatempo


Não foram muitos, mas foram muito belos os poemas que recebi. Aquele que mais me deixou emocionada foi o que acabou por ganhar, embora outros o merecessem pelas ideias originais que vinculavam!
Foi, então, uma vencedora, a saber...

Luísa Pereira Timóteo

domingo, 28 de agosto de 2011

Antes de Adormecer (S. J. Watson)

No seu romance de estreia S.J. Watson apresenta ao leitor uma obra que aborda as questões do que é ser-se humano. A história segue a vida de Christine, uma mulher cuja vida se vê alterada e cuja memória é apagada a cada 24 horas. A personagem vê-se assim acordar para cada dia como se fosse o primeiro da sua vida (no momento em que tem 22 anos) ou seja, sem qualquer referencial das suas vivências anteriores.
Ao questionar a memória e a incapacidade da personagem a reter, Watson obriga-nos a questionar o que é humano e o que de facto dá sentido à existência. De facto, podemos argumentar que a vida do humano é pautada pelos acontecimentos que vive, o que sente e acima de tudo como os recorda, pois em última análise tudo é presente e o futuro não é mais do que um conjunto de projecções do passado num tempo vindouro. Tudo o que é deixado da vida são memórias e mesmo essas tendem a desaparecer no tempo.
No entanto é justamente essa possibilidade de transmissão de conhecimentos adquiridos às gerações vindouras e consequentemente uma espécie de imortalidade simbólica que permitiu a sobrevivência e evolução da espécie humana. Esta memória contextualiza toda a existência do humano e dá-lhe rumo e sentido.
Christine acorda todos os dias sem esse sentido, uma imagem em espelho de Funes, o homem que nada esquecia. Se este tinha ao seu dispôr todo o manancial de informações, era igualmente esmagado pela sua capacidade. Já Christine acorda todos os dias para um vazio que apenas se vai preenchendo à medida que guarda as informações acerca da sua vida num caderno de apontamentos.
Não são de estranhar aqui as semelhanças entre a obra e o filme "Memento" de Christopher Nolan, onde a personagem principal é também acometida de amnésia e as únicas recordações que retém são as que tatua no seu corpo de dia para dia.
De facto os dilemas de ambas as personagens são similares: sem qualquer tipo de referencial sentem-se perdidas e estranhas num mundo que desconhecem e com o qual não conseguem interagir sem o auxílio de um interlocutor que contextualize a sua acção.
Curiosamente, tanto na obra de Watson como na de Nolan, o interlocutor assume um papel que condiciona da existência das personagens: sem eles estão completamente perdidos e só através deles o mundo tem algum sentido, pelo menos até isto ser colocado em questão pelas próprias
referências das personagens (o diário que Christine mantém).
Posto isto, não deixamos de imaginar se este livro não é uma alegoria ao próprio crescimento humano em que a palavra dos pais é tudo o que baliza o mundo e que só há medida que a criança vai construindo o seu sentido do mundo é que verdadeiramente assume a sua condição humana e o controlo do seu destino.



Autor: S. J. Watson


Editora: Civilização Editora


Páginas: 344


Género: Thriller

sábado, 27 de agosto de 2011

Queimada (Kristin Cast e P.C. Cast)

Para percebermos um pouco os eventos deste volume Queimada há que olhar para trás, ter um vislumbre do que se passou até ao momento nos volumes anteriores para podermos precisar a história. Ao longo desta série, "A Casa da Noite", enquanto leitores sentimos a necessidade e o desejo que os personagens têm de crescer, evoluir, e apesar de percebermos que eles o fazem, nunca como aqui a mudança foi tão notória, consagrada pela própria percepção que eles têm de si mesmos e o percurso por eles realizados. Somos obrigados a observar estes personagens multifacetados e reconhecer a seu grau de profundidade.
Assim, Queimada começa onde o volume anterior termina. Kalona matou Heath e a alma de Zoey Redbird foi completamente despedaçada. Ela encontra-se agora aprisionada no Outro Mundo de Nyx. E caso Zoey não consiga reunificar o seu espírito assim permanecerá para todo o sempre. Por isso, Aphrodite, Stark, Darius e os restantes amigos de Zoey têm de encontrar uma forma de restaurar a sua alma, voltar a trazer Zoey para que esta possa vencer Neferet e, claro, Kalona, caso contrário o seu mundo e o mundo dos humanos jamais voltará a ser o mesmo.
Eles até conseguem descobrir uma volta para o fazer mas tudo tem um custo e neste caso implicaria o sacrifício e morte de Stark, não há soluções fáceis nem respostas simples, já que muitas implicações decorrem de qualquer escolha.
Queimada é o sétimo e, até ao momento, o melhor livro da série “A Casa da Noite”, demonstrando tudo o que as autoras aprenderam e foram aprimorando com a sua escrita ao logo de toda a série. No volume anterior foi introduzido o mecanismo literário de diferentes perspectivas, mas sendo algo que parece ter completamente florescido neste volume. A história é relatada de uma forma surpreendente e empolgante, onde somos enganados ou levados a dar alguns saltos de lógica que na realidade não estavam lá, ou outros que estavam lá mas sempre os íamos desconsiderando, tudo isto num crescendo até à revelação final. Assim como leitores sentimos tão ou mais desafiados pelo enredo, a sucessão de acontecimentos em igual proporção à dos próprios actores da história.Há alguns temas importantes que sobressaem no livro que passam uma importante mensagem para os jovens leitores da saga, como o acto de desejarmos algo e realmente empreendermos para conseguir tê-lo, a dissimulação e artificie, a nossa força de vontade e o livro arbítrio onde cada escolha importa.




Autores: Kristin Cast e P.C. Cast


Editora: Saída de Emergência


Páginas: 320


Género: Fantasia

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Os Mistérios de Jerusalém - Passatempo


O mês de Agosto aproxima-se do final mas os passatempos estão longe do fim.
Os Mistérios de Jerusalém promete ser uma leitura desafiante que preencherá os meses que aí vêm.
Passem pelo site da Bizâncio e descubram as respostas a este passatempo antes do dia 4 de Setembro.
Boa sorte para todos os que tentarem ganhar este livro, embora só tenha três exemplares disponíveis.





Regras do passatempo

1) Preencher todos os dados solicitados correctamente.
2) Apenas participantes com moradas de Portugal.
3) Apenas uma participação por cada nome, email e morada.
4) O não cumprimento da regra 3) poderá levar a exclusão em passatempos futuros.
5) Os participantes que sejam seguidores do blog terão uma chance extra no sorteio dos livros. As pessoas que não forem seguidoras terão a chance correspondente à inscrição.

Destaques Chiado Editora

Aqui fica a lista dos títulos que a Chiado Editora lançou (ou ainda vai lançar) durante o mês de Agosto.


iiiiiii

O Desafio de Viver em Sociedade (Diamantino L. R. Bártolo)
Qual é o papel da educação e da formação na sociedade? Estaremos preparados para viver num mundo globalizado? "O desafio de viver em sociedade" é mais do que uma reflexão sobre o estado da sociedade actual. Não se trata de proclamar conquistas.

Trata-se de enfrentar o mundo com uma visão que abrange os fundamentos do trabalho que vem sendo desenvolvido, visando o seu aprimoramento. Trata-se de uma série de reflexões sobre temas da sociedade actual, cada vez mais complexa.

Mais do que um manual de sobrevivência, "O desafio de viver em sociedade" é um pilar na formação para a cidadania e tem como objectivo a consciencialização dos cidadãos para que possam compreender, analisar e reflectir sobre as várias dimensões que compõem a nossa sociedade. Um desafio à descoberta da consciência pública para a premente necessidade de assegurar a justiciabilidade dos direitos humanos, económicos, sociais e culturais.


Porque Sofremos nos Nossos Ambientes de Trabalho
(Edgar J Fernandes)
Edgar J Fernandes é um coleccionador de hábitos e de experiências edificantes que inspiram harmonia e felicidade. Os seus livros são escritos baseados em experiências reais vividas por si e por outras pessoas.
Recentemente publicou outro livro "Os 11 Hábitos das Famílias Mais Felizes". Uma obra de auto-ajuda com experiências da vida real.

Este livro tem o poder de lhe dar orientação e consolação, por meio de informações simples e eficazes, para saber como lidar com os seus conflitos internos e externos no ambiente de trabalho. Ajudá-lo-á a ser mais feliz por meio das informações que lhe apresenta, como soluções para lidar com a inveja, a agressividade e a adversidade no emprego. Dar-lhe-á motivos para não se abater espiritual, mental nem fisicamente, a fim de não sucumbir à depressão causada pela constante intriga e desgaste de convívio entre colegas e chefias. Descobrirá nele, coisas que nunca antes leu... e saberá, ao terminar de o ler, que valeu a pena a sua aquisição.


iiiiiii

Análise Comparativa da Eficiência dos Hospitais S.A.
(Pedro Miguel Abreu)
O sector da saúde é um dos pilares base de qualquer sociedade, sendo por isso uma das áreas onde o Estado mais actua e efectua alterações e reformas. Sendo um sector transversal, a nível mundial, existe uma preocupação global sobre as melhores formas de organização e de prestação de cuidados de saúde, fazendo com que este seja sempre um tema recorrente de análise e debate.

Reportando ao período deste estudo, a última grande reforma operada em Portugal, nesta área, foi a empresarialização de diversas entidades hospitalares.

Assim, esta análise empírica pretendeu determinar se a empresarialização dos hospitais levou a que se obtivesse uma maior eficiência nos custos totais variáveis incorridos, nunca esquecendo que a primordial actividade desempenhada por todas as entidades hospitalares é tratar pessoas que apresentem sintomas e casos concretos de um estado de saúde entretanto debilitado.


Epítome para uma Aprendizagem Adequada e Profícua da Arte Cénica (Kwame Kondé)
Esta nossa obra, na sua assunção global, consta de um conjunto de três (3) Livros / Tomos:

Livro Primeiro, sob o título: Epítome para uma Aprendizagem adequada da Arte Cénica e compõe das seguintes Partes: Prólogo/Exórdio; Húmus da Obra (englobando um Guia breve para a Prática da Encenação e um Manual de Exercícios práticos para o Actor) e um Epílogo.

Livro Segundo, sob o título: Estudando o Teatro estuda a Noção/Definição/Conceito de Teatro, numa abrangência (assaz), lúcida e avisada.

Livro Terceiro, sob o título de Prática teatral e Cénica e que consta (por seu turno) de duas Partes (naturalmente), complementares, designadamente: Uma Primeira Parte que estuda (adentro de uma perspectiva eminentemente pedagógica), a Noção/Definição/Conceito do Texto teatral/Texto Dramático, complementada (logicamente), por uma Segunda Parte, que no fundo, é uma Colectânea de vinte (20) Peças de Teatro e de vinte Poemas (dialecticamente) teatralizados, visando a Aprendizagem de uma Prática Cénica, conducente a necessária eficácia teatral, na assunção mais nobre do termo e da expressão.


iiiiiii

Não Me Peças que Te Ame (Rafaela Perpétua)
Afonso parecia um jovem normal. No entanto, normal não era o termo mais apropriado para ele. Afonso amava mais que qualquer outro rapaz da sua idade. Sofria por ela e todos os dias morria mais um pouco. Mas que podia ele fazer se a amava? Não podia ignorar um sentimento tão forte, tão angustiante! Teria de lutar com todas as suas forças, com todo o seu amor. Poderia não conseguir salvar a vida daqueles que amava e até mesmo a sua própria vida. Só lhe restava acreditar...


Contos Quase Romances da Cabreira e seu Universo
(José da Costa Oliveira)
"Contos, quase romances, da Cabreira e seu universo".
Uma antologia em que o Homem e a Natureza (os Bichos) protagonizam lado a lado. Histórias como "a vaca que chorava", de seu nome a Briosa, ou "o coelho da ponte da Urtigueira", o Alfredo, fazem a defesa laudatória do que é a amizade, a criação de laços afectivos entre os seres, que confere sentido à vida e a tudo o que nos rodeia.

Todas se desenrolam nos vales, nas encostas, nos cumes e picos do perímetro florestal da Serra da Cabreira, norte de Portugal, linha de divisão entre as províncias do Minho e de Trás-os-Montes e Alto Douro.


iiiiiii

Crime e Perdão (Manuel Equor)
Quem aqui chegasse e nos visse no centro deste quadro fantástico - qualquer um podia aqui chegar porque a porta da estufa apenas estava encostada - haveria de se surpreender até não mais poder. Pensando o melhor e o pior da relação entre os dois ali expostos, poderia exclamar: »não estão a dormir. Estão defuntos.» Seria tomado pela ideia de uma reincarnação da tragédia de Shakespeare, que admite tê-los guiado no acto derradeiro, apresentando-se eles em consequência, ali inanimados na pedra, como um de tal Montéquio e outro de amada Capuleto. Este hipotético observados, confrontado pela visão dos corpos inertes, tão bem apagados que estão os indícios de presença de vida, pressionado pela necessidade de explicação deste quadro sugestivo, poderia tentar reinscrever a história, adaptando-a ao recato de uma estufa e aos dias de hoje, e acrescentar: »Ele ingeriu cicuta ou algo semelhante, não por engano, mas porque já não aguentava o passado... tão escassas,muito mais nestas despedidas, qunado nada há escrito, a não ser apenas o que data do século XVI.»


Mogincual (Isabel Bruma)
O outro lado do mar

Isabel cresceu à beira-mar e tinha uma vontade enorme de saber o que estava para lá da linha em que o céu se confunde com o mar. Um dia uma estranha embarcação vem encalhar na praia trazendo uma personagem misteriosa que lhe vai contar histórias das terras que ficam do outro lado do mar. Com ela parte para uma atribulada viagem através de terras desconhecidas.

Crónicas do Quotidiano

São 100 crónicas que versam diferentes aspectos da nossa sociedade: "a exclusão social, a educação, a incivilidade, a violência, o desapoio urbano ao cidadão, a infância ou velhice, enfim um desfilar de situações que, já diagnosticadas há muito, constinuam a correr as artérias da democracia" (do prefácio de Conceição Pinto da Rocha)


iiiiiii

Crónicas do Avô Chico (Pedro Jardim)
Trata-se de um livro a ler por dentro, onde as memórias nostálgicas mas tão vivamente descritas dos lugares encantatórios do autor, da sua infância de onde vêm as imagens e as emoções que norteiam a sua vida. Num discurso de afectos, este livro mostra-nos como o autor selecciona, resume, interpreta a fala e os pensamentos das personagens, dando origem a um relato emotivo mas sem teatralização.

A terra e o céu do Alentejo são um espaço que dá vida e suporte ao desenrolar de um tempo cheio de lembranças que se projectam no futuro, como se o autor, na sua sincera e singela homenagem, semeasse uma ética de confiança no milagre da vida simples mas cheia de significado.

O autor traduz vivências em que os gestos, os jogos de luz e de sons, a cor e os cheiros nos fazem mergulhar num tempo tão próximo e simultaneamente tão distante, como viagem ao interior da Terra-mãe, onde se procura a força perdida.
Noémia Serrano


Por um Momento (Ana Lopes)
Victória Cruz tinha um desejo: conhecer os elementos da banda que sempre protagonizaram os seus sonhos. E um dia, na mítica cidade de Lisboa, esse sonho é tornado realidade.

Terá o amor a força suficiente para alterar o modo de pensar de alguém? Quando uma pessoa se considera a si própria inimiga número um desse sentimento, poderá mudar de ideias? E o que fazer quando uma inóspita encruzilhada se cria à nossa frente? Ou quando alguém se torna a apoteose do nosso mundo? A frase imperativa aparece, pairando sobre a negrito, sobre o cérebro, toldando todos os restantes pensamentos: Alguma vez desististe de tudo para correres atrás de um grande amor?




Nazunia (Pedro Poças)

Se ler esta matérias na condição de médico irá abominá-las. Se se identificar com alguma espécie de religião, o mais certo é acusar-me de demónio e denunciar-me por blasfémias. Se acreditar nos sistemas políticos actuais, provavelmente pensará que sou um louco idealista. Se assim for, óptimo.

Este livro foi concebido para seres humanos, para aqueles que ainda têm o discernimento de se verem como indivíduos que são, para além das máscaras da sociedade. ...Opss! Mas há outro problema para o qual convém desde já alertar com alguma seriedade: Não se identifique muito com esse ser humano que julga ser, pois esta "Nazunia" vai mais fundo... Muito mais...


Literatura Poética

iiiiiii


à Deriva (Carla Paião)
Flor Virgem, Que se abriu, À claridade do dia, Coração Selvagem, Que amou enquanto podia, Na selva agreste da vida, Em que cada vez mais se perdia


A Flor Bravia (Pedro Ferreira)
PEDRA DE PERMEIO
Se não te procuro tanto, Na verde ternura das folhas, Não creias que perco o fio das sombras, não; É porque o tempo - velho anacoreta, De olhos escorridos e duros, Que divisa, tremendo, a alquimia das estações, Lá, desde o tonitruante cume, Da imortalidade - vive na poeira, De um caminho oblíquo, Nas finas arestas e outras insignificâncias, Onde as árvores são cada vez mais raras. Por ele podemos, se soubermos, partilhar, Brisas fugidias ou luzes frágeis de caminho, Mas nada sustêm o passo que nos leva, Mesmo pisando uma ou outra Pedra de permeio.


iiiiiii

Na Palma da Língua e Algumas Respirações (Luís Pedro Ferreira)
uma ou duas coisas dizer
ainda em voz de grito
e calar-me depois ao largar a mão sobre o papel
e arremeter caminho para uma página seguinte de
silêncio e tinta, deixar vincado em folha fumo
que palavras digo, ouso cantar por vezes manhã fora
granitos e vidraças e cobertas frases de sal e de espuma,
ouso cantar por vezes manhã fora
dizeres despidos de sons e ventos,
ruelas caladas de sol e de lua


Lucubrações (Daniel Aladiah)
Este livro de poemas marca os encontros e desencontros entre o amor e a noite, entre o destino e o livre-arbítrio, entre a missão e o mistério da vida. É feito de pequenas histórias de vida de todos nós, de interrogações, alegrias e sofrimentos, qual fotografia dinâmica dos momentos em que todos revelamos a nossa humanidade divina. Corresponde a horas de vigília e meditação, quase sempre no conselho da noite, reflectindo as atribulações do dia-a-dia, misturadas com os sonhos das vidas alternativas em que repousamos a alma. O lema do autor é sempre:
"Só o amor justifica a vida..."



Poemas Góticos de uma Adolescente Alienada (Helena Grilo)
'As pedras rolam pela garganta e vão,
Sendo engolidas pelo esófago, até ao coração.
De repente chocam com a artéria aorta que jaz infeliz, torta'

Ao meu simpático leitor:
Tenho um desafio a propor-lhe. A verdade é esta: Pouca gente lê poesia. A pergunta que lhe deixo é: Porquê?
Este livro vai fazê-lo sentir-se contente e triste, dependendo do poema que estiver a ler.Às vezes, vai confundir o leitor e desafiá-lo a interpretar significados escondidos.

Trata-se de um conjunto de poemas que reúne sete anos de reflexão, anos estes que fazem parte do percurso conturbado da adolescência, Tenho a certeza que todos os amantes de poesia de identificarão com eles. O desafio que lhe proponho é: escreva mais poesia, e juntos vamos ressuscitar aquela que é uma das maiores artes portuguesas.

A poesia é algo vivo e que deve ser vivido. A poesia precisa de poetas para evoluir. Poesia é dinâmica.


Literatura Infantil

iiiiiii

No Reino da Chuva (Catarina Confraria Peças)
Um conjunto de contos recheados de imaginação, onde os personagens fantásticos simbolizam sentimentos, medos, expectativas e deslumbramentos.A D. Aranha que é gananciosa, a nuvem Aquarina que é uma nuvem que só chove quando lhe apetece não respeitando os outros, a Maria do Mar que ajuda a limpar o planeta, os dedos da mão que aprendem a cooperar, a rolha que ajuda a pedra a flutuar e vice-versa, uma princesa que reinventa o arco-íris, transportam-nos para universos mágicos onde estão espelhadas de forma cristalina e deliciosa as vivências do quotidiano infanto-juvenil. Cada conto não se fecha em si mesmo, sendo antes o ponto de partida para uma conversa ou reflexão sobre os actos e pensamentos dos personagens. Momentos deliciosos que dá vontade de repetir vezes sem conta ao longo dos anos.


A Papaia Mágica (Joana Benzinho, Marta Monteiro)

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Gossip Girl 7 - Ninguém o Faz Melhor (Cecily Von Ziegesar)

Gossip Girl está de volta e ainda com mais segredos para revelar. Nate e Blair estão finalmente juntos mas será que terão um final feliz? É bem provável que não. Jenny está metida em imensos apuros e o Dan parece estar prestes a tornar-se numa estrela de rock. Todos começam a ficar atarefados e frenéticos com as novas rotinas e Blair ainda está inquieta com o problema da lista de espera para Yale.
Ou seja há uma miríade de coisas novamente a acontecer à medida que os nossos amigos, que temos vindo a conhecer nos seis últimos volumes da colecção Gossip Girl, estão prestes a terminar o liceu. Temos Blair, Serena, Nate, Chuck, Jenny, Dan e Vanessa, assim como alguns personagens secundários invulgares são apresentados. Temos também os The Raves, a banda do Dan, da qual o guitarrista parece ser o novo namorado de Serena, bem como encontramos Jenny e Serena juntas como modelos.
Assim, este livro conta-nos como os finalistas da Constance Billboard School se divertem até caírem para o lado, já que em cerca de dois meses todos irão para a faculdade. Blair finalmente fica a saber que vai entrar em Yale, assim como a sua amiga Serena, e o namorado Nate.
Certos personagens são desenvolvidos lindamente, e outros são exagerados para além da credibilidade. Blair continua a ser neurótica, e a sua mãe uma tonta bem-intencionada, Serena é a sonhadora, e Nate o sonho inatingível, Jenny a criança desesperada de atenção, Dan o intelectual perdido, Vanessa a consciente e pensamento independente, e Aaron a alma afável e gentil.
É fácil relacionarmo-nos com estas histórias de dramas adolescentes, os diferentes grupos, a pressão de não ficar para trás, o que está na moda e o que não está. É um livro bastante divertido, com um final surpreendente, que nos faz querer agarrar no volume seguinte. É interessante e assinalável o facto de os personagens terem mudado tempo e como novas amizades são travadas.
Uma das razões de queixa de muitos, é o facto de o livro se ocupar de um intervalo de tempo extraordinariamente curto. Os primeiros livros da Gossip Girl eram verosímeis porque abarcavam um período realista – meses – todavia os mais recentes livros da série, aparecem-nos em intervalos mais curtos de forma a poder perdurar a história no final do liceu. Quase todos os acontecimentos durante o livro, como no volume anterior, desmoronam-se e apenas uma ou outra mudança semi-permanente parece ter ocorrido.
Isso deixa-nos a sensação de que, apesar da leitura divertida e electrizante, nada realmente fica, que tudo volta ao ponto inicial. Mesmo se a mensagem que o livro tenta instilar seja muito nobre, a de que quando escutamos o nosso coração podemos receber as melhores coisas na vida.



Autor: Cecily Von Ziegesar


Editora: Bizâncio


Páginas: 272


Género: Romance

Gossip Girl -Vol. 6 - Só te Quero a Ti (Cecily Von Ziegesar)

Regressamos uma vez mais drama de Gossip Girl. As candidaturas para a faculdade estão de volta e alguns dos jovens simplesmente não conseguem alcançar aquilo que realmente desejavam. Há festas que decorrem, algumas pessoas deveriam simplesmente ser evitadas enquanto que os rumores e as fofocas grassam pelo grupo. Blair não consegue entrar na sua faculdade de escolha, tendo de se contentar com ficar na lista da espera. Serena e Blair discutem repetidamente e a Vanessa está também a ter a sua dose quando tem de lidar com uma rapariga chamada Tiffany, que resolve ficar no seu apartamento, enquanto ela e o namorado Dan estão lá a viver.
Assim, mais detalhadamente, este livro volta a seguir a vida de Blair, Serena e Nate. Aqui todos os finalistas da escola de Constance recebem as cartas de resposta às candidaturas para a faculdade. Blair está desejosa de entrar em Yale, mas quando lê a carta, a decisão da faculdade deixa-a perplexa, não foi propriamente rejeitada mas ficou na lista de espera, mesmo apesar de ter tido notas fantásticas; simplesmente não compreende a decisão. Por outro lado, a sua melhor, mas menos inteligente, amiga, Serena, entra na faculdade dos sonhos de Blair, assim como é aceite em todas as faculdades às quais se candidatou, como Harvard por exemplo, - um facto que faz Serena decidir-se por visitar todas elas, e ver por qual se vai deixar enamorar, o resultado é que todas a cativam de igual modo - enquanto Blair é apenas aceite numa das cinco às quais se candidatara. De igual modo, o seu namorado, Nate, entra em Yale, e mesmo ele tem notas mais baixas do que Serena. Isto deixa Blair numa pilha de nervos já que ela deu o seu melhor e tudo que conseguiu foi estar numa lista de espera, que ela duvida que dê em alguma.
A mãe grávida de Blair tem o seu bebé, (e meio-irmão de Blair) em Maio quando era esperado nascer em Junho. É uma rapariga e Blair fica feliz em ter uma irmã, o seu contentamento em tudo isto faz pensar na alegria da vida no meio da tempestade e provação, assim ela persuade o bebé a chamar-se Yale, por causa da faculdade.
O estilo de escrita é único e interessante uma vez que nos faz desejar conhecer mais pormenores sobre os personagens, uma vez que têm personalidades muito singulares, distintivas e idiossincráticas.
Este volume consegue muito bem transmitir a ideia real das pressões vividas de quando queremos algo, temos um sonho qualquer. A ansiedade comum de querer saber e o suspense da espera, assim como todos os pequenos dramas ou mal-entendidos gerados por coisas quotidianas. De forma menos positiva, vemos que este capítulo começa a revelar alguma estagnação de toda a série, subitamente começamos a depararmo-nos com o conjunto de personagens em pares novos, aleatórios, que simplesmente não funcionam. Quando já percebêramos que os melhores momentos, cenas, resultam das sinergias, da interacção entre elas, aqui elas são simplesmente separadas ou juntas a personagens que simplesmente não faz muito sentido. Tendo dito isto, o livro não perde propriamente qualidades, apenas nos parece mais repetitivo e menos cativante do que volumes anteriores, até por ele se dispersar por muitas coisas.



Autor: Cecily Von Ziegesar


Editora: Bizâncio


Páginas: 274


Género: Romance

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Gossip Girl - Vol. 5 - É Assim que eu Gosto (Cecily Von Ziegesar)

Neste quinto volume começamos com Serena van der Woodsen, aqui ela assemelha-se à deusa de todas as deusas, todos parecem apaixonar-se por ela, onde quer que ela vá. Agora ela foi para Sun Valley com a sua melhor amiga de sempre, Blair, que atravessa os seus pequenos problemas, uma vez mais. Serena foi até lá para passar algum tempo com o irmão mais velho, Erik, durante as férias da Páscoa. Mas o que encontra é, decididamente, algo de que não estava à espera: Blair começa a sair com Erik.
Daqui saltamos para o drama de Nathaniel (“Nate”) Archibald, quando a sua namorada se tornou viciada em drogas, despe-se à frente de todos, torna-se incomodativa, impertinente, e isso é só o princípio. A sua ex-namorada começa a atirar-se a alguém novo perante os seus próprios olhos, e em cima de tudo isso, como uma cereja no topo do bolo, tem um homossexual a assediá-lo, é este o frenesim da sua vida. Todos em seu redor, até mesmo o seu arqui-inimigo, Chuck Bass, foram em tempos seus amigos mas a uma dada altura desprenderam-se dele. Seja como for, todos à sua volta já viram mais da sua namorada e o corpo desnudado dela do que ele, até mesmo a polícia e outros estranhos ao acaso. Assim, Georgina e Nate começam cada vez mais a se afastarem. A mãe de Blair volta a engravidar, e a própria amizade de Nate e Blair parece estar em perigo.
O conflito interno parece ser baseado em Nate, no qual ele terá de escolher entre Blair e Georgina, e o conflito externo reflecte-se a partir de Blair, no qual ela tentar continuar a resistir a Nate uma vez que são amigos tão próximos.
É um livro com um maior envolvimento dramático, que quase se torna difícil de acompanhar. Blair deseja Nate e ele deseja-a, mas ele tem uma nova namorada e o seu orgulho torna-se num obstáculo. Serena queria passar algum tempo com o seu irmão mais velho e a sua melhor amiga, mas não estava à espera que eles passassem um tempo juntos um com o outro. Chuck estava a experimentar ser tão elegante, mas de forma altamente falível.
Uma vez mais, estes miúdos ricos, presunçosos e muito egocêntricos estão de volta com as suas viagens e tudo que está na moda e em voga. Mas isso é aquilo que torna estas leituras num guilty pleasure, ao leitor pede-se que os deteste. Mas ao mesmo tempo é uma perspectiva sobre o mundo daquilo em que tudo é aparentemente perfeito, e recorda-nos que nada o é realmente, independentemente das viagens ou tratamentos de beleza.



Autor: Cecily Von Ziegesar


Editora: Bizâncio


Páginas: 240


Género: Romance

Gossip Girl Vol. 4 – Porque Sou Boa! (Cecily Von Ziegesar)

Fevereiro parecer ser a altura ideal de amores e desamores, o dia de S. Valentim é um dia importante para qualquer rapariga de um liceu de elite em Manhattan, e estes estudantes não são não nada diferentes de quaisquer outros. Os miúdos ricos são puxados para as suas próprias mágoas, para um universo de bebidas brancas e grandes festas… Ou simplesmente se dirigem para a semana da moda em Bryant Park e participam nas melhores afterparties dos famosos e glamourosos da sociedade nova-iorquina. Amor, sexo, e novas relações parecem abundar no quarto volume da série de Gossip Girl, na qual podemos estar certos que essa voragem de rumores é insaciável durante a estação do amor.
Este volume retoma o enredo imediatamente no ponto do anterior, exceptuando o facto de Serena e Blair voltarem a não estar tão próximas uma da outra como costumavam. Isto prende-se em grande medida ao facto de Serena andar a sair, agora, com Aaron, o adorável meio-irmão de Blair. Ela está apaixonada, enquanto todos os demais parecem procurar emoções mais imediatas e desprendidas. Jenny não é estranha para com o amor, mas a sua ruptura com Nate fê-la sentir-se escaldada pelo tema. Blair, ela mesma, ainda não ultrapassou a situação com Natte, mas está mais do que desejosa em abordar novos relacionamentos. Ela encontra o Cary Grant para a sua Audrey Hepburn, um amigo mais velho, deslumbrante do seu pai, que, ao mesmo tempo, é um homem casado.
Nate não parece importar-se com a vida de solteiro, desde que tenha a sua parte, mas ao ser apanhado, tudo isso faz-lhe mudar a sua visão. Reabilitação para os ricos e famosos conduz Nate a Georgina Spark, uma deslumbrante herdeira com um fascínio por drogas. O amor pode não estar mais distante do pensamento de Nate, mas está decididamente no corpo de Georgina. O Dan também não parece importar-se com o que está debaixo da roupa de Vanessa, e ambos parecem viver sublimemente, embora seja óbvio que nunca será algo duradoiro.
Sexo, drogas e poesia parecem compor um volume extremamente comovente e divertido desta série de Gossip Girl. Aqui Blair parece-se mais e mais humana, expondo os seus sentimentos e intimidade. Mas também encontramos a visão de uma Jenny inocente, por comparação a todos os demais personagens, até mesmo alguém verdadeiramente doce. O cenário de fundo da Semana da Moda é perfeito, e permite a Serena brilhar como habitualmente. Cada vez se torna mais impossível vê-la como uma vilã. Todas as suas cenas são tão fáceis de desfrutar que simplesmente nos fazem sorrir. É um pouco infeliz o facto de Nate ser um personagem absolutamente fútil, mas isso só faz que toda a sua jornada tenha algo de transformativo e no final apareça com um tudo-nada mais de personalidade. Dan não é tão lamurioso e deprimente como em volumes anteriores, neste o aparente sucesso dele e da relação com Vanessa são uma inesperada mudança do seu arco de desenvolvimento na história.



Autor: Cecily Von Ziegesar


Editora: Bizâncio


Páginas: 280


Género: Romance

Destaques Booksmile

A Booksmile continua feliz com o reconhecimento do público da qualidade da Colecção Princesa Poppy, que está de regresso com duas novas histórias que vão encantar as meninas princesas durante as férias de Verão. A Colecção Princesa Poppy mantém o apadrinhamento do Dr. Eduardo Sá, e a recomendação pelo Plano Nacional de Leitura e a tradução de Isabel Fraga.


iiiiiii

Princesa Poppy: A Fada do Dentinho (Janey Louise Jones)
A Poppy está ansiosa pela visita da fada do dentinho. O problema é que ainda nenhum dos seus dentes está a abanar! Todas as amigas já receberam a visita desta fada e a Mimosa até diz que viu a dela! A Poppy está cada vez mais receosa de que nunca mais chegue a sua vez. Descobre o que acontece e lê a carta secreta que a Poppy escreveu para ti!

E, desta vez, a Poppy tem uma prenda para as meninas princesas: uma bolsinha de seda para guardarem o dentinho!


Princesa Poppy - As Jóias Escondidas (Janey Louise Jones)
A Mel está em delírio com a chegada da mãe e do pai, que vêm passar um mês inteiro na Colina do Pote de Mel.

Os primeiros dias de férias são passados num ambiente encantador, com passeios de bicicleta e lanches deliciosos na Casa de Chá «As Abelhas».

Até que, numa visita ao Palácio Espiga de Milho, ouvem falar de uma princesa que viveu aprisionada no castelo muitos séculos antes e do mistério das jóias perdidas.

Não percas mais esta aventura excitante da Poppy e da Mel, que não vão descansar enquanto não resolverem o enigma da princesa Alissa e do tesouro desaparecido.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Gossip Girl Vol. 3 – Quero Tudo e Mais Alguma Coisa (Cecily Von Ziegesar)

Uma vez mais, Cecily von Ziegasar traz-nos a uma história centrada em torno de duas jovens abastadas e bem na moda, Serena e Blair, os outros personagens, incluindo um cineasta, um poeta, um ex-namorado de Blair, uma jovem desesperada por amor, e os amigos de Nate, acrescentam e ampliam o elenco dramático da história, continuando a espicaçar a curiosidade do leitor.
O cenário e a trama continuam numa toada muito realista e interessante. O ex-namorado de Blair, Nate, está encalhado num triângulo amoroso. Ele e Blair namoraram tanto tempo que quando este tenta prosseguir com a sua vida, ao sair com outra rapariga, é constantemente recordado de Blair e de tudo que costumavam partilhar entre eles. De igual modo, no decurso do livro ambas as raparigas tentam entrar na faculdade, continuando a acalentar Blair a esperança de entrar em Yale, apesar de todas as peripécias vista no volume anterior.
Trata-se uma obra esplendorosa para aqueles que gostam livros de comédias românticas com uma pitada de mistério e acção. É um livro imensamente viciante, algo que se prende fundamentalmente ao facto de qualquer adolescente poder encontrar correspondência aos sentimentos e muitas das situações pertinentes aos personagens. É muito frequente durante o liceu viver o stress de corresponder às exigências académicas, e de ficarmos confusos sobre o amor e toda a pletora de sentimentos. Cada um de nós tempo um sonho ao qual quer pertencer, tornar real, e todos sabemos a sensação de encontrar alguém verdadeiramente especial.
Este volume da série Gossip Girl é muito semelhante aos dois anteriores. Há mais cenários repletos de humor com moralidades bem menos que evidentes da parte dos personagens. O personagem de Nate começa a exaurir-nos um pouco pela persistência do seu comportamento e cada vez mais começamos a nutrir menos simpatia por Jenny. Por outro lado, Serena, que tem sido a vilã mostra-nos um lado mais humano, mais frágil, mais justificativo da sua forma de ser e agir, e daí todas as suas interacções com Blair acabam por ser o ponto mais forte do livro. As raparigas estão tão confortáveis, uma para com a outra que o diálogo torna-se perfeito, tornando-se praticamente melhores amigas.
É um livro altamente recomendável a adolescentes uma vez que sentirão o caos das decisões a tomar e os dramas inerentes à essa fase da vida. A história não parece realmente avançar tanto assim já que os personagens que parecem ter quaisquer objectivos são Blair e Vanessa. Os livros apenas são entretidos e leves de serem lidos, mas a certo momento, a ausência de uma história ulterior pode tornar-se morosa.



Autor: Cecily Von Ziegesar


Editora: Bizâncio


Páginas: 256


Género: Romance

Gossip Girl Vol. 2 – Bem Sabem Que Me Adoram (Cecily Von Ziegesar)

Pobre Blair Waldorf! O segundo volume de Gossip Girl é tão trágico que deveria chamar-se a “vingança sobre Blair Waldorf por ser morena, baixa, estudiosa e, ao contrário das amigas, não ser uma cabra completa”.
Neste segundo volume Von Ziegesar volta a transportar-nos para o mundo escandaloso e hipnotizante de Blair e Serena, cheio de pequenos-grandes dramas. Começamos com as personagens da série a candidatarem-se às faculdades da Ivy League, e com Blair não só a preparar-se para o seu aniversário dos 17 anos, mas também para o casamento da mãe que vai ser fotografado para a revista Vogue. Depois temos Serena, que está a ser assediada por Dan, um poeta perturbado dotado de afectos intensos. Mas, apesar de todos estes miúdos serem ricos, é evidente que o dinheiro não pode comprar tudo. Pelo não para Blair Waldorf.
Basicamente, em meras 200 páginas, mais ou menos, assistimos a uma série de reveses na vida de Blair: eis o que acontece por sermos pobres e desafortunados: primeiro, a sua mãe insensível e desatenta anuncia que vai casar com um pervertido muito piroso que conhece há cerca de três meses apenas, segundo, o casamento vai decorrer no dia em que Blair faz 17 anos, terceiro a sua mãe impassível pede à arqui-inimiga de Blair, Serena van der Woodsen para ser a dama-de-honor. Quarto, a mãe e o padrasto lançam o facto de que um meio-irmão daquela adolescente existir e ir morar para a casa de Blair, com o seu cão malcheiroso. Quinto, Blair tenta repetidamente perder a virgindade com o namorado, Nate, sem sucesso. Sexto, Nate trai Blair com uma caloira, sétimo, Nate é demasiadamente covarde) para terminar a relação com ela. Oitavo, Blair rouba um presente de uma loja para Nate numa tentativa de fazê-lo apaixonar-se ainda mais por ela, mas ele nunca abre esse mesmo presente; nono, Blair, de forma espectacular dá cabo da sua entrevista para entrar na universidade de Yale, por causa do stress de todos estes acontecimentos anteriores, e em décimo, e por último, Blair perde a competição de filmes para estudantes.
Por outro lado, temos a ascensão da loira, platinada e alta Serena, o seu namorado Dan, que lhe declara o seu amor vez após vez; e Serena (quem sabe sensatamente) abandona-o, depois Serena imiscui Nate numa viagem pela estrada fora a com ela e o Dan, mesmo apesar de Nate ter prometido a Blair que não mais veria Serena, por ter dormido com ela. Além disso Serena e Nate adormecem juntos de mãos dadas, e este oferece-lhe bebidas, tira-lhe fotografias, acende-lhe os cigarros, faz-lhe todas vontadinhas a cada momento possível. Finalmente, Serena vence o concurso de cinema, com algo que ela própria filmou, passeando por Manhattan, fazendo compras e proferindo todo o tipo de impropérios!
Em suma, ao contrário de todos os outros personagens em Gossip Girl, Blair faz-nos recordar, em cada um de nós de que se não formos loiros, seremos sempre inferiores, e o que for que desejarmos será dado sempre a alguém outro que o é!
Há uma completa ausência de moral no centro do livro, ou seja em vez de ser fastidioso, torna-se interessante na medida em que todos são virtualmente inconsequentes. Há uma espécie de futilidade que parece impelir toda a acção.



Autor: Cecily Von Ziegesar


Editora: Bizâncio


Páginas: 264


Género: Romance

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Carnaval em Veneza (Michelle Lovric)

Um interessante romance em que a narração começa como uma rapariga muito jovem que é seduzida pelo próprio Casanova em Veneza. O livro faz-nos percorrer a sua vida como artista, e mistura história com ficção de uma forma perfeita, que é ao mesmo tempo credível e real.
Toda a imagética é maravilhosa e faz-nos sentir como se fizéssemos parte da acção, assistindo de forma privilegiada ao desenvolvimento dos acontecimentos.
Como uma jovem de treze anos, a viver em Veneza, em 1872, Cecília Cornaro é seduzida pelo famoso (ou infame) Casanova, e torna-se a sua amante de sempre. A sua relação perdura até à morte deste. Vinte e cinco anos mais tarde, Cecília é uma artista reputada e respeitada que vive na Albânia, quando conhece o jovem e arrogante poeta, Lord Byron, e os dois encetam uma turbulenta relação. À medida que Cecília vai progredindo vida fora, as memórias das duas relações parecem ter um efeito duradoiro e indelével nela.
A primeira parte do livro centra-se na relação de Cecília com Casanova. Aqui o famoso sedutor é-nos mostrado sob uma luz favorável de alguém endiabrado mas bem longe de ser uma pessoa propriamente maldosa que apenas procura ludibriar os outros, é capaz de sentir amor verdadeiro e compaixão.
A segunda parte foca-se na relação – se assim lhe podemos chamar – de Cecília com Lord Byron. Byron aparece-nos como alguém verdadeiramente desagradável, arrogante, infantil e constantemente à procura da mais recente perversão, que não se importa muito quais as consequências que as suas acções possam ter sobre os outros, ou sequer magoá-los. Assim, o livro foca-se sobre a forma como ambas as relações afectam Cecília, e a fazem conhecer e examinar a sua vida.
Os personagens são bem traçados, e ficamos com a sensação que a própria Cecília é alguém por quem podemos facilmente sentir empatia. O livro é essencialmente contado a partir do seu próprio ponto de vista (sendo ocasionalmente narrado pelo gato de Casanova, e um gondoleiro de Veneza), e neste caso a narração na primeira pessoa resulta muito bem, já que as acções da Cecília seriam difíceis de perceber e compreender caso fossem descritas na terceira pessoa.
Parece-nos óbvio que a autora empreendeu uma exaustiva pesquisa sobre as vidas de Casanova e Byron, e muitos acontecimentos reais, históricos, factuais foram incorporados no livro (ainda que Cecília e a sua família sejam personagens ficcionais). É um daqueles livros que no final, além de tudo o que ganhamos com o enredo, de todas as formas que ele nos pode tocar, sentimos também que aprendemos algo sobre aquele mundo, o que é sempre uma mais-valia.




Autor: Michelle Lovric


Editora: Chá das Cinco


Páginas: 496


Género: Romance Histórico

Destaques Presença

As novidades da Editorial Presença para a segunda metade de Agosto já aí estão.

iiiiiii

O Canto do Anjo (Richard Harvell)
Quando Moses Forben, soprano conhecido como Lo Svizzero, morre, é encontrado no seu espólio um maço de papéis onde o cantor da voz de anjo conta a sua atribulada vida. A narrativa na primeira pessoa dá conta da infância miserável nos Alpes suíços até à participação, em Viena, na ópera de Gluck, Orfeo ed Eridice, em 1762 - facto histórico que aqui coincide com o clímax do enredo ficcional. Richard Harvell escreve num impressionante registo que nos transmite a vibração da infinidade de sons que o seu personagem distingue e reproduz com a voz, e recria o grau de melodramatismo que é parte da ópera na sua essência.

A Resistência (Gemma Malley)
A Resistência é a obra que vem dar continuidade a O Pacto - o Crime de Ter Nascido, que a Presença publicou também nesta coleção. Continuamos no ano de 2140. A imortalidade foi alcançada, mas à custa de renunciar à descendência, através de um compromisso, o Pacto. Peter e Anna são dois Excedentes, duas crianças que não deviam ter nascido. Peter recebe a missão de desvendar o que se passa no programa secreto de Longevidade e é então que descobre uma verdade aterradora que o fará questionar tudo aquilo em que sempre acreditou.


iiiiiii

O Crime de Lord Arthur Savile (Oscar Wilde)
«O Crime de Lord Arthur Savile coloca-se com muita graça para lá do Bem o do Mal. Trata-se da história de um assassínio, mas o ato é perpetrado num mundo que, pela sua própria frivolidade, não é menos irreal do que aquele, deliberadamente fantástico, das Mil e Uma Noites. Para acentuar esta semelhança, todo o conto, que se desenrola numa Londres onírica, se rege pelo conceito islâmico de Destino. O tema de O Fantasma de Canterville pertence ao romance gótico, mas, felizmente para o leitor, o seu tratamento não. Nesta divertida história, os americanos não levam a sério o fantasma, e nem os leitores nem Wilde levam a sério os americanos. O Príncipe Feliz, O Rouxinol e a Rosa e O Gigante Egoísta são contos de fadas concebidos de um modo sentimental que faz lembrar Hans Christian Andersen, porém embebidas daquela ironia melancólica que é atributo peculiar de Oscar Wilde.»
Jorge Luis Borges

Maya Fox (Silvia Brena, Iginio Straffi)
Maya Fox descobriu que tem um poder inquietante: a capacidade de dialogar com o além. Tem apenas cinco dias para aprender a viver com isso… e para salvar a própria pele. Mas, nesta luta contra o tempo, em quem poderá confiar Maya? Rodeada pelo seu grupo de amigos, pela mãe e pelo pai, Maya terá de enfrentar o seu destino… e uma profecia enigmática, que apenas se cumprirá no ano de 2012. Maya é a única a possuir a chave para decifrar o mistério e salvar-se a si mesma. E a toda a humanidade.


A Bolsa para Iniciados (Fernando Braga de Matos)

Com uma estrutura de manual prático, o livro começa por introduzir os conceitos e noções básicos, indicando as formas e as fontes de informação a que um leigo poderá recorrer para analisar o mercado e o comportamento dos vários produtos financeiros, conduzindo progressivamente o leitor, com clareza e elegância, às questões mais complexas. Como em todos os jogos, é preciso aprender tácticas e estratégias que aqui são abordadas com suficiente profundidade para que possa entrar na bolsa com planos bem estruturados e a cautela necessária para evitar perdas e tentar optimizar os ganhos. Depois, só dependerá de si, leitor, tornar-se um verdadeiro iniciado!


Literatura Juvenil

iiiiiii

Não Quero Crescer Mais! (Sandra Pinto)
Qualquer adolescente chega àquela altura em que se apercebe que crescer nem sempre traz muitas vantagens mas, no caso de Gabriela, é um autêntico drama. É que, com apenas 13 anos, Gabriela já mede 1,70 m, ou seja, mais que qualquer uma das suas amigas… e do que os rapazes também. A única exceção é Alexandre, um rapaz da sua escola que a deixa totalmente derretida. Mas será que as coisas vão correr bem ou será mais um ano repleto de instabilidade amorosa, dúvidas, confusões e muitas alegrias e oportunidades para rir à mistura?

Recomendado a partir dos 13 anos

A Minha Escola é Muito Louca! (Yvonne Coppard)
Os pais de Annie Tompkin ganham a lotaria e mandam-na para um colégio interno, muito caro e famoso, para que ela receba uma educação a sério! Mas o que eles não sabem é que a King Arthur’s Academy é, de facto, a escola aonde vão parar as criaturas mais excêntricas. No início, Annie receia ser a única pessoa normal naquela escola, mas em breve arranja um grupo de amigos superfixes e divertidos. As surpresas não cessam de acontecer, e no final Annie e os seus colegas veem-se envolvidos num episódio surpreendente de espionagem e investigação!

Recomendado a partir dos 11 anos

A Mulher Careca - Vencedores do passatempo


Luís da Costa e Silva

Telma Leal

Cassilda Almeida

Espero que gostem do vosso prémio. Parabéns!

domingo, 21 de agosto de 2011

Coração de Manteiga - Passatempo


Este mês de Agosto continua animado por aqui com mais um passatempo. Desta vez conto com a ajuda da Objectiva para dar a três leitores do blogue um exemplar do livro Coração de Manteiga.
Têm de responder a um par de perguntas para estarem habilitados a esta leitura que promete ser muito agradável e até mesmo surpreendente!
As respostas às duas perguntas feitas são facilmente encontradas aqui no blogue, entre os Destaques Objectiva. Têm até dia 30 para acertarem nas respostas. Boa sorte!





Regras do passatempo

1) Preencher todos os dados solicitados correctamente.
2) Apenas participantes com moradas de Portugal.
3) Apenas uma participação por cada nome, email e morada.
4) O não cumprimento da regra 3) poderá levar a exclusão em passatempos futuros.
5) Os participantes que sejam seguidores do blog terão uma chance extra no sorteio dos livros. As pessoas que não forem seguidoras terão a chance correspondente à inscrição.

Trevas Maravilhosas (Margaret Stohl e Kami Garcia)

Ethan e Lena escaparam por pouco à última tentativa de serem reclamados pelas trevas, e nada voltou a ser o mesmo. Lena a vive a dor, e o sentimento de culpa pela perda do seu tio, Macon, e Ethan sente que ela começa a distanciar-se de si. Antes que Ethan consiga sequer aperceber-se do que está a acontecer Lena foge, e apesar do relacionamento entre ambos estar tenso, Ethan vai no seu encalço. Ethan começa a ter visões misteriosas uma vez mais, ele pressente que ela está em perigo, mas não faz ideia que tipo de perigo, ele pode muito bem ser a única pessoa que a pode salvar de si própria, mas o que acontecerá se ela não quiser ser salva?
Este segundo volume da saga de Margaret Stohl e Kami Garcia faz-nos encantar pela envolvência que as autores fazem do sul da América, agarrando-nos e não mais nos largando. Aqui os personagens principais esbatem-se um pouco, parecem-nos um tudo nada mais a preto e branco, o que não deixar de surpreender pela negativa, já que passados os eventos do livro anterior seria de achar que já portassem outra identidade, personalidade, mas até acabamos por seguir esse percurso, e reencontrá-los num momento mais avançado. Também nos é dada uma maior interacção entre Link e Ethan, e vemos como aquela sua amizade se processa. Há mais segredos trazidos até à luz, ajudando-nos a montar o puzzle de toda a trama que liga toda a série.
Convém prestar mais atenção a Ridley e a Link, já que as suas histórias afiguram-se-nos como as mais interessantes do romance, eles são uma lufada de ar fresco na história, e é perceptível que desempenharão papéis ainda mais importantes no próximo livro. Sentimos que tudo está numa escalada o que só faz aumentar a vontade de chegar ao próximo volume.
Assim, a tensão entre os adolescentes é amplamente incrementada neste volume, o que por um lado pode desagradar por trazer um lado mais fortemente melodramático, mas na realidade acaba por contribuir positivamente para a história. Todas as interacções entre Ethan e Lena fazem com que a sua relação seja estirada, rasgada e por fim quebrada, como se as suas diferenças crescessem com eles e formassem um muro impenetrável entre ambos. Todavia, sabemos que se eles conseguirem vencer esses obstáculos, a sua relação sairá muito mais forte apesar de todos estes percalços.
Em conclusão, se achávamos que a parada já estava alta no primeiro volume, este eleva a fasquia ainda mais. O ritmo de acção e suspense agigantam-se, fazendo-nos ler compulsivamente. Vai nos agarrar a cada instante, tanto ou mais como o primeiro. E quando chegamos ao fim ficamos sem saber em que direcção o terceiro volume seguirá.




Autor: Margaret Stohl e Kami Garcia


Editora: Gailivro


Páginas: 488


Género: Fantasia

sábado, 20 de agosto de 2011

Paranormalidade (Kiersten White)

Este é um livro que me surpreendeu positivamente, gostei da heroína e das suas relações amorosas, do triângulo amoroso entre Evie, Rech e Lend. Kiersten White escreveu “…um deles conquistou o coração de Evie, e o outro conquistou o meu.”
Depois de ler a sua história, consegui perceber as preferências ultra-femininas de Evie por roupas, e porque razão atribuiu ao seu taser e ao seu punhal alcunhas. Desde os seus oito anos, que ela vivia num mundo subterrâneo, mantida como uma princesa tonta numa torre de marfim, a quem era passada apenas a informação absolutamente necessária e mínima para capturar seres paranormais aleatórios, para a Agência Internacional de Contenção Paranormal. Esta Agência é o seu lar e aproveita-se vergonhosamente do seu dom singular de conseguir ver através de qualquer tipo de glamour mágico. Todos aqueles que são os seus confidentes são adultos. Ela aprendeu tudo o que sabe em casa, educada por uma lobisomem constantemente deprimida, e o liceu era apenas algo que via na televisão. Se fosse Evie, também não correria atrás de todas e quaisquer possibilidades de ir às compras com o meu Guardião, à procura de roupas ultra-femininas, que nos lembram os actores das nossas sérias favoritas? Não tentaria ser um pouco normal, um pouco adolescentes? Ela não tem quaisquer acessórios, ela não tem qualquer vida fora do Centro, por isso ela compensa isso, decorando as suas armas e dando-lhes nomes tontos.
Outra coisa interessante é a abordagem original que o livro faz a vários folclores paranormais (fadas, vampiros, lobisomens, sereias, elementais…) e a sua adaptação e integração com a visão e mundividência que o livro apresenta que é bastante bem conseguida.
Os personagens são únicos e originais, com imensas e adoráveis idiossincrasias. A narradora, Evie, é fantástica quer esteja em missão ou num vestido de riscas zebra e botas cor-de-rosa. A sua voz é divertida, cínica e enternecedora – todos os ingredientes necessários para ser uma das mais divertidas personagens criadas por esta autora.
Mas Evie também é uma das fragilidades do romance, especialmente se o olhar a partir de uma perspectiva mais adulta e sombria. Ela depara-se com muitas situações que à partida fariam qualquer pessoa mudar a vida e sai delas sempre com a mesma atitude optimista, um tudo-nada excessivamente entusiástica e com uma certa ingenuidade, sem parecer nada alterada pelos acontecimentos. Sei que os grandes romances incluem mudanças, transformações e o crescimento dos personagens e apesar de Evie sentir que o mundo é um pouco diferente do que ela sempre imaginou, não senti que isso a afecte realmente. Ou talvez seja um mecanismo de defesa da personagem para conseguir ligar com o seu dia a dia tão invulgar. Acredito que Evie crescerá em volumes futuros, Paranormalidade é a primeira parte de uma série a seguir, sem dúvida .




Autor: Kiersten White


Editora: Planeta Manuscrito


Páginas: 296


Género: Fantasia

Destaques Livros d'Hoje

Aqui fica a lista dos títulos que a Livros d'Hoje lançou (ou ainda vai lançar) durante este mês.


iiiiiii

Uma Histórias do Mundo depois do 11 de Setembro
(Dominic Streatfeild)

Até agora, a guerra contra o terrorismo já consumiu dez anos, três biliões de dólares e aproximadamente um milhão de vidas. Não vencemos. Não estamos a vencer. Não venceremos. Para entender porquê, precisamos de saber como um comerciante de metais australiano – com a ajuda da CIA – provoca inadvertidamente a invasão do Iraque e como as tropas da coligação foram mortas por bombas feitas com explosivos que, segundo a Casa Branca, nunca existiram. Também é necessário compreender como é que a Força Aérea dos Estados Unidos bombardeia um casamento no Afeganistão por engano e perceber porque é que os EUA forneceram apoio financeiro ao Presidente do Uzbequistão, quando este queimava pessoas vivas. Estes não são danos meramente colaterais de uma guerra normal. Uma história do mundo desde o 11 de Setembro mostra-nos que não estamos mais próximos de sermos bem-sucedidos do que estávamos a 10 de setembro de 2001. Falhámos em acabar com o terrorismo. Provocámos guerras civis no Afeganistão e no Iraque. Em todo o mundo, prenderam-se, torturaram-se e assassinaram-se pessoas inocentes, tudo em nome da justiça.

Dominic Streatfeild, aclamado autor e jornalista, viajou por todo o mundo durante anos em busca de respostas que indiquem onde é que errámos. Os resultados da sua pesquisa – oito histórias de carácter sério que misturam reportagem com um profundo drama humano – constituem um exame importante aos acontecimentos da última década e alertam-nos severamente para o futuro.

Dragões de Éter (Raphael Draccon)

Pode dizer-se que, em Dragões de Éter – Caçadores de Bruxas, Raphael Dracon parte de uma simples questão para dar vida aos seus personagens: o que aconteceu depois? O que aconteceu ao Capuchinho Vermelho depois do caçador ter matado o lobo? E ao caçador? Teriam João e Maria realmente conseguido matar a bruxa? E qual foi a reação dos seus pais quando voltaram para casa? Teve a princesa realmente coragem de beijar o príncipe que se transformou num sapo? E o que fizeram os anões depois de a Branca de Neve ter encontrado o seu príncipe? Quem é que, depois de ler os sempre eternos contos de fadas, não se questionou a esse respeito? De uma maneira dinâmica, Dragões de Éter – Caçadores de Bruxas narra a história do que teria acontecido depois desses contos chegarem ao fim sem perder a perspetiva da eterna luta entre o bem e o mal. O autor reúne todos estes personagens (e muitos outros) no Reino de Arzallum, muitos deles vivem em Andreanne, a capital do Reino. Arzallum fica em Nova Ether, um mundo que fora assolado pela magia negra praticada por bruxas que se desviaram do caminho do bem.




O Mestre da Vida (Augusto Cury)

Ao longo da história, muitas pessoas conseguiram com suas ideias mudar o curso da política, da filosofia, da ciência ou da religião. Houve um homem, no entanto, que foi capaz não só de abalar os alicerces do pensamento como de alterar para sempre a trajectória da humanidade. Esse homem foi Jesus Cristo e seus ensinamentos geram frutos há mais de dois mil anos. Suas incomparáveis inteligência e personalidade tornaram-no o perfeito ponto de partida para uma investigação sobre o funcionamento da mente e sua surpreendente capacidade de superação. Quando soube que seria preso, em vez de fugir, Jesus entregou-se ao destino e à morte. Ele viu de perto a fome, a miséria e a dor, mas manteve-se firme em seus propósitos. Tamanha era sua capacidade de gerir as emoções que, apesar das inúmeras provações por que passou, Jesus tornou-se o símbolo maior da esperança, do amor, da dignidade e da compaixão. Nestas páginas, você fará uma viagem pelos mistérios da mente do Mestre dos Mestres. Não importam quais sejam suas crenças, sua religião, posição social ou condição financeira, a mensagem de Cristo é universal e fala ao coração de todas as pessoas.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

O Homem Dragão - Vencedores do passatempo


Três vencedores para um livro do qual, espero, gostem e divulguem porque o trabalho desta editora merece-o!

Maria Raposo

Maria Pinto

Joana Rodrigues

Espero que se deixem fascinar por este policial tanto quanto o título e a capa prometem que tal acontecerá! Parabéns e boa leitura a todos!